notícias
|

Saúde

08 de abril de 2009

Diabéticos também comem chocolate na Páscoa

No período da Páscoa, não há quem resista a pelo menos um pedacinho de chocolate. A boa notícia é que mesmo quem tem diabetes pode apreciar o famoso derivado do cacau. “O consumo deve ser sempre consciente, pois o chocolate apresenta grande quantidade de calorias, uma vez que une açúcares e gordura saturada”, alerta o endocrinologista Reginaldo Albuquerque, do Pasteur Medicina Diagnóstica/DASA.

 

O segredo para o diabético é descobrir quantos carboidratos pode consumir por dia. A contagem depende de algumas variáveis, como peso, altura, idade, sexo e prática de atividades físicas. A partir dessa tabela, que deve ser fornecida por um endocrinologista após análise individual, o paciente deve analisar a composição nutricional dos produtos que consome para fazer o cálculo.

 

De acordo com Reginaldo, o máximo de chocolate recomendável por dia para uma pessoa sem diabetes é de 25 a 30 gramas – o que equivale a um tablete pequeno. Automaticamente, o aceitável para diabéticos é bem menos que isso. “O ideal é substituir um alimento por outro, observando a contagem de carboidratos. Além disso, é importante fazer a glicemia capilar e, se necessário, utilizar a insulina ultrarrápida – que age em cerca de 20 minutos”, afirma o especialista.

 

O médico conta ainda que não é recomendado o consumo de chocolate diet. Segundo ele, os produtos diet só substituem um componente por outro – no caso do chocolate, sai o açúcar e entra uma quantidade maior de gordura saturada. Já os chocolates light trazem uma quantidade menor de açúcares, mas nem sempre têm o mesmo sabor do normal. “Para quem é apaixonado pelo doce, vale fazer a contagem e consumir pelo menos um pouco. Ainda mais na Páscoa, quando a tentação é maior”, avalia Reginaldo.

 

Para os consumidores compulsivos do produto e que pretendem abusar nesta Páscoa, a indicação é que sejam realizados exames periódicos para avaliação da glicose, colesterol e pressão arterial. Um médico deve ser procurado para analisar os resultados e conceder um diagnóstico preciso sobre as quantidades adequadas a cada organismo.

 

A Sociedade Brasileira de Diabetes oferece algumas dicas para que pessoas que têm a doença possam usufruir do prazer de comer chocolates:

 

- Lembre-se de que a escolha é sempre pessoal, considerando preferências e objetivos de tratamento.

- Pense no chocolate como substituto de algum alimento que compõe a refeição.  

- Se você está acima do peso, fique atento ao tamanho da porção que vai consumir, além da quantidade de calorias, carboidratos e gorduras correspondentes.

- Se você apresenta um peso saudável e deseja manter o bom controle glicêmico, fique atento à quantidade de carboidratos. Desta forma será possível substituir algum alimento que compõe o plano alimentar, respeitando os gramas de carboidratos definidos na refeição. Ou ainda, se faz uso de insulina ultrarrápida para cobrir as refeições, será mais fácil identificar a dose da mesma para cobrir o chocolate.

 

Reginaldo Albuquerque

Médico endocrinologista do Pasteur Medicina Diagnóstica/DASA. Especialista pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Ex-professor da Universidade de Brasília - UnB. Curso de especialização em Endocrinologia pela Universidade de Londres. É membro da Sociedade Brasileira de Diabetes.

 

Sobre o Pasteur Medicina Diagnóstica

Fundado em 1976 em Brasília, o Pasteur é reconhecido por clientes e pela classe médica pela qualidade dos serviços prestados. Hoje com 36 unidades de atendimento, o Pasteur oferece mais de mil tipos exames. Em Taguatinga, implantou a primeira megaunidade de Brasília. O local oferece aos clientes, em um só endereço, todos os serviços de análises clínicas, exames cardiológicos e diagnóstico por imagem, além de possuir o mais moderno equipamento de ressonância magnética de Brasília. Com o objetivo de oferecer exames de qualidade a todas as classes sociais, o Pasteur lançou em 2005 o projeto popular, presente em todas as unidades da marca. O Pasteur Medicina Diagnóstica é integrante da  Diagnósticos da América S.A. – DASA.

 

Sobre a DASA

A Diagnósticos da América S/A é a maior empresa de medicina diagnóstica na América Latina em termos de receita bruta e população e a quinta maior rede no mundo. Com cerca de 12 mil colaboradores, atende aproximadamente 55 mil pacientes por dia em 321 unidades. Processa em média, 6,5 milhões de exames por mês. Oferece mais de três mil tipos de exames de análises clínicas e diagnóstico por imagem. Atualmente, o grupo é formado por 20 marcas em treze estados – Delboni Auriemo, Lavoisier e Maximagem, em São Paulo; Bronstein, Lâmina e MedImagem, no Rio de Janeiro; Club DA, em São Paulo e Rio de Janeiro; Pasteur e Exame, em Brasília; MedLabor, em Brasília e Tocantins; Curitiba Santa Casa e Frischmann Aisengart, em Curitiba; Laboratório Álvaro, em Cascavel e Foz do Iguaçu; CientíficaLab, no Espírito Santo, Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro; Image Memorial, em Salvador; VITA Lâmina, em Florianópolis; Atalaia, em Goiás; Cedic e Cedilab no Mato Grosso; e LabPasteur e Unimagem, em Fortaleza.

Comunidades
  • Não existem comunidades com a notícia
Relacionados
Carregando ... Carregando


comentar


comentários (0 comentários)

Diários Associados