09 junho 2014 16:44

Barbada da Semana

Gente, precisei de uma parada técnica, mas agora voltei .


Os preços de queijos (tanto importados quanto nacionais) nos supermercados têm dado saltos assustadores nos últimos meses, sendo o tipo grana padano gaúcho Gran Formaggio um exemplo disso. Até outro dia, o quilo dele era vendido em promoções a R$ 49 - hoje beira os R$ 100 em certos locais. Credo. Por esse motivo, compartilho aqui um achado no Verdemar (Diamond Mall) ontem: o queijo de cabra holandês Cablanca , que andava lá pelos R$ 120 (quilo) retornou a convidativos R$ 89 . Passando por lá, recomendo também aproveitar o bom preço que o supermercado parece ter definido (pois costumava variar) para o bom tinto chileno Pargua : R$ 49. Vale muito a pena.

Votos:
Tags: barbada    vinho    queijo    cablanca    pargua    chile    chileno    bh    belo  horizonte    verdemar    promocao    oferta    barato 

|

14 maio 2014 05:00

Thiago Castanho lança livro em BH


Rogério Voltan/Divulgação

Cozinha de origem
(Publifolha, 256 páginas, R$ 59,90), primeiro livro do chef paraense Thiago Castanho , será lançado hoje , das 19h às 21h, na livraria Mineiriana (Rua Paraíba, 1.419, Savassi; 31 3223-8092). Com a família, ele comanda dois restaurantes imperdíveis em Belém, o Remanso do Peixe (mais tradicional) e o Remanso do Bosque (mais moderno), ambos dedicados a rica gastronomia do estado. Há alguns anos ele é referência no assunto e recentemente começou a ganhar projeção internacional , sobretudo pela inclusão do Remanso do Bosque entre os 50 Melhores Restaurantes da América Latina (lista compilada pela mesma organização que realiza a versão mundial da premiação). Parte desse reconhecimento deve-se ao trabalho consistente que realiza com ingredientes amazônicos , incluindo pequenos produtores da Ilha do Combu (chocolate), São Caetano de Odivelas (ostra de rio), Bragança (farinha de mandioca) e Ilha de Marajó (queijo de búfala), entre outras localidades. Atualmente assustado com a falta de tempo e focado no treinamento das equipes das duas casas, Thiago revela: “Penso até em diminuir o tamanho dos nossos restaurantes”. A atribulada agenda do chef prevê ainda, amanhã , jantar a quatro mãos com o chef Felipe Rameh no Trindade (Rua Alvarenga Peixoto, 388, Lourdes; 31 2512-4479) a R$ 270 por pessoa, incluindo menu e bebidas.

Com edições em português e inglês (o livro está sendo vendido em mais de 10 países), Cozinha de origem tem cerca de 100 receitas , a maioria baseada em ingredientes e preparos paraenses. Várias estão presentes nos cardápios dos dois restaurantes, a exemplo do pirarucu defumado com leite de coco e ameixa e do tucunaré recheado com caranguejo e camarão. Como o objetivo não é restringir o foco ao Pará (e, sim, exibir perspectiva diferente da cozinha brasileira), chefs de outras regiões marcam presença com diferentes pratos. Colaboram com algumas receitas os chefs Felipe Rameh (MG), Janaina e Jefferson Rueda (SP), Rodrigo Oliveira (SP), Roberta Sudbrack (RJ), Marcelo Amaral (PR) e Júnior Durski (PR), além do irmão de Castanho, Felipe, e do pai deles, Seu Chicão, fundador do Remanso do Peixe. Por esse motivo, o leitor também aprende a fazer, entre outras receitas, feijoada, coxinha de galinha gaipira, arroz de carreteiro, bolo de mandioca com coco (ensinada pela mãe de Thiago) e uma versão um pouco diferente de pão de queijo.


Ben Errey/Divulgação

Abaixo, entrevista que fiz com a jornalista brasileira radicada em Londres Luciana Bianchi (foto acima) , especializada em gastronomia e coautora de Cozinha de origem com Castanho.

Fale sobre o livro e o conceito que serve de base a ele.
Cozinha de origem é um livro de cozinha brasileira com uma perpectiva amazônica. O livro celebra, acima de tudo, a autenticidade. Definir o que é a cozinha brasileira sempre foi uma tarefa difícil, dentro e fora do Brasil, pois a nossa cultura culinária é uma colcha de retalhos de diversas culturas. O Pará é o único estado do Brasil a praticar uma “cozinha de terroir” e, após viajar muito pelo Brasil, percebi que o que muitos consideram como a cozinha regional paraense, pode ser também visto como a uma das mais autênticas expressões da cozinha brasileira.

Que impressão querem deixar no leitor?
Que para inovar não é preciso esquecer as raízes. Queremos mostrar que o grande tesouro culinário do Brasil é a nossa gente, o nosso amor à mesa e a riqueza de nossos produtos. E que mesmo se adoramos pratos modernos, somos um país que celebra diariamente à mesa o comfort food!

Como surgiu esse projeto? Thiago foi escolhido ou procurou você?
Eu recebi uma proposta da editora inglesa Octopus Publishing Group para fazer um livro de cozinha brasileira. O título seria Brazilian food . Eu queria encontrar um protagonista que representasse o melhor de nosso país e o momento que estamos vivendo na Nova Cozinha Brasileira. Procurei o Thiago e embarcamos em um projeto de mais de um ano que foi tomando forma organicamente. Pensei na época: para fazer um livro de cozinha brasileira autêntico, teremos que mostrar o lindo povo brasileiro e uma perspectiva de nossa cozinha ainda não vista até hoje. Não imagino ninguém melhor que o Thiago para representar o Brasil neste projeto. Ele e a sua família simbolizam o que há de mais autêntico e precioso em nosso país – a união em família, o prazer à mesa, a humildade no cotidiano, o trabalho árduo atrás do sucesso e a ligação com a terra e com os produtores locais. É uma história de família que inspira!

Como chegaram a esse formato, com outros chefs contribuindo?
O Remanso do Bosque tem um projeto chamado Visita Gourmet, onde os Castanho convidam chefs de outros restaurantes para fazer um diálogo entre suas cozinhas e a cozinha amazônica. Queríamos incluir no livro alguns destes chefs amigos que estão fazendo um trabalho parecido com o de Thiago, resgatando as tradições e inovando, sem a necessidade de negar as suas cozinhas de origem. Queríamos também mostrar a paixão que os brasileiros têm pela cozinha e que, muitas vezes, os pratos de um amigo ou de uma mãe de família podem ser muito melhores que a de um restaurante famoso. E que chefs podem aprender muito com a cultura popular.

Que critério foi utilizado para selecionar receitas, já que é uma publicação internacional também?
As receitas incluem todos os pratos mais importantes do Remanso do Peixe e do Remanso do Bosque. Os pratos dos chefs convidados tem elementos emblemáticos de sua região ou são os pratos mais famosos de suas casas. Fazer com que o livro se tornasse igualmente interessante para o público nacional e internacional foi a tarefa mais difícil, por isso fizemos o livro página por página em inglês e em português, com as devidas adaptações para cada um desses dois públicos.

Alex Atala é uma referência brasileira óbvia, dada a sua projeção, mas é das únicas para o leitor estrangeiro?
Felizmente, Atala já não é mais a nossa única referência lá fora. É claro para todos hoje que não somos um país de um chef só! Quem vem ao Brasil percebe que temos inúmeros chefs de grande talento. Esta semana fiz a matéria de capa na revista mais importante de gastronomia de Londres, a Caterer & Hotelkeeper, na qual o tema central era justamente este. Hoje, nossa cozinha celebra uma nova geração de chefs. Helena Rizzo, Rodrigo Oliveira, Rafael Costa e Silva, Alberto Landgraf, Jefferson Rueda, Roberta Sudbrack e Thiago Castanho são nomes já conhecidos pelo público internacional interessado em gastronomia.

O que existe nas livrarias e sites estrangeiros em se tratando de livros de cozinha brasileira atualmente? Há um padrão dominante?
O que se encontra disponível no mercado internacional atualmente são livros e sites que exploram os clichês de “país tropical”. Em Londres, uma cadeia de restaurantes fast food chamada Cabana está abrindo várias filiais com a proposta de “comida brasileira autêntica” e estão até fazendo um livro. Servem guacamole com nachos, ceviche e salgadinhos como queijo halloumi e dizem que fizeram uma evolução na culinária brasileira. Uma vergonha! Nós, jornalistas brasileiros que moramos fora, temos o importante trabalho de deixar claro ao público estrangeiro o que é verdadeiramente brasileiro. Para mim, um livro de cozinha, de modo geral, deve ser feito para o leitor. É um presente do autor ao leitor e o leitor deve viajar junto com o autor pelas páginas, ter vontade de cozinhar e de saber mais sobre o tema. Deve ser, acima de tudo, um convite generoso para embarcar com o autor em uma viagem como participante, e não como mero observador. É impossível ler Cozinha de origem e não sentir vontade de pegar o primeiro avião à Belém, e também de conhecer as casas dos chefs convidados.

Quais são as tendências (em geral, não me refiro apenas aos lançamentos nacionais) que você observa nesse nicho editorial hoje?
A busca pela identidade e a autenticidade! Os leitores estão fartos de ver “personagens fictícios” tratando de temas reais! No caso da cozinha, os leitores estão ficando cansados de chefs que não sabem mais onde estão as suas panelas, bem como de produtos sem nome, sobrenome e alma. O mercado editorial está percebendo que a autenticidade e a coerência na proposta produzem excelentes resultados comerciais.

Votos:
Tags: thiago  castanho    luciana  bianchi    entrevista    cozinha  de  origem    livro    novo    cozinha    culinaria    gastronomia    para    paraense    amazonia    amazonica 

|

05 maio 2014 19:37

Não é só mais um curso de vinho

Na Inglaterra, os cursos da Wine and Spirit Education Trust (WSET), entidade voltada para a formação na área de vinhos e destilados, são voltados para profissionais do ramo. Aqui no Brasil, a empresa Eno Cultura ministra cursos credenciados pela instituição inglesa com a diferença que o público leigo , que tem interesse no tema, também pode participar. O próximo será realizado nesse sábado (dia 10) , das 9h às 17h30, na Casa do Porto (Rua Felipe dos Santos, 451, loja 1, Lourdes). No comando, Paulo Brammer (foto abaixo), que é membro do Institute of Wine & Spirits e jurado de concursos internacionais, além de ter no currículo experiências em restaurantes londrinos e visitas a vinícolas de várias partes do mundo.


Eno Cultura/Divulgação

No programa do curso ( WSET - Nível 1 ), estão os seguintes tópicos : introdução ao vinho, principais estilos de vinhos, características das castas e técnicas de degustação, harmonização e serviço. Serão degustados 12 vinhos . Esse curso foi originalmente criado para formar responsáveis pelo atendimento ao cliente na hotelaria ou no varejo, mas tornou-se, com o tempo, atraente também para o público interessado por vinho, já que são oferecidos conhecimentos básicos sobre a bebida . O investimento é de R$ 750 (que podem ser pagos com 5% de desconto à vista ou em três parcelas) e a turma é limitada a apenas 10 alunos . Informações e inscrições pelo e-mail info@enocultura.com.br .

Votos:
Tags: curso    vinho    wset    wine  and  spirit  education  trust    bh    belo  horizonte    preco    paulo  brammer 

|

29 abril 2014 11:23

Barbada da Semana (atrasada)

Há tempos estou para falar do Apoio Mineiro , rede de supermercados que atua no "atacarejo" , ou seja, atende a lojistas e consumidores finais. Pertence a outra rede, Super Nosso , motivo pelo qual é possível encontrar nos dois locais vários produtos idênticos, mas com preços bem diferentes . Por ter "vocação popular", vamos assim dizer, o Apoio Mineiro não tem todos os produtos do Super Nosso, mas vende os que tem por preços geralmente mais interessantes que o "primo rico". Damasco seco , por exemplo, é R$ 10 mais barato (quilo). Um pote pequeno de tâmaras com caroço sai por uns R$ 2 . Massas italianas (como da De Cecco) custam menos e é atraente o preço da passata de tomate da mesma marca (uns R$ 5 , garrafa de 700g). A variedade de azeites e vinhos é bem menor, mas dá para garimpar alguns achados por preços um pouquinho mais baratos. Certa vez (uma única vez, na verdade), encontrei por lá até alguns frios espanhóis que o Super Nosso vende. Vale a pena dar um pulo numa das lojas (veja aqui os endereços) para compras corriqueiras e tentar a sorte nas gôndolas.

Votos:
Tags: barbada    apoio  mineiro    massa    passata    italiana    tomate    bh    belo  horizonte    preco    barato    promocao    oferta 

|

22 abril 2014 16:30

Bacon é vida (também no chocolate)

Se você é daqueles que tem nojinho, lembre-se de que não é obrigado a ler, nem a comentar esse post. Mas se você gosta de experimentar, de arriscar, de conhecer novos sabores , prossiga.



Escrevi sobre os ovos de páscoa da Carolina Fernandes ( Xocolatl ) semana passada e ontem tive o prazer de experimentar um deles, numa combinação proposta por ela e um tanto inusitada para a ocasião: casca de chocolate ao leite Callebaut, recheio de brigadeiro feito com cacau equatoriano e, por cima, pedacinhos de bacon . Pense o que quiser dessa mistura, mas antes de decretar qualquer coisa a respeito, prove .

É desnecessário falar da qualidade do chocolate utilizado, de forma que vou me centrar na combinação em questão. Bem, na verdade, misturar bacon e chocolate não é uma novidade (tem até verbete na Wikipedia e barras industrializadas), mas não deixa de ser fora do comum. Além disso, há certas receitas de sobremesa que tem a gordura de porco como ingrediente, como o delicioso pudim abade de Priscos.

Seco no forno para ficar crocante, o bacon empresta, portanto, textura extra ao ovo, sendo adicionado também na casca . O que percebi com mais interesse é como notas salgada e defumada , ainda que discretas, ficam presentes a cada mordida, ampliando a complexidade de sabor do ovo. Fora a untuosidade conferida pela gordura do bacon (esse ovo não é gorduroso , vale frisar!), que faz com que esses sabores envolvam toda a boca e ganhem persistência. Olha que bonito , bacon na casca e por cima do brigadeiro:



A páscoa passou, mas Carolina segue aceitando encomendas ( 31 9466-5760 e info@xocolatlcarolinafernandes.com.br ), com a vantagem de ter agora essa combinação de chocolate com bacon em tamanho menor : uma panelinha feita de chocolate e bacon , recheada com o mesmo brigadeiro equatoriano e coberta com pedacinhos de bacon (cerca de R$ 15 , com peso entre 80g e 90g).

Os mais animados podem pedir duas metades recheadas , cada uma com 375g (R$ 100 , as duas metades). Dá para mesclar uma metade desse sabor e outra de outro, como o caipira (casca de chocolate meio amargo, creme de queijo e pedaços de um delicioso bolo de rapadura). Lembrando: esses dois sabores foram pensados para harmonização com cerveja , como escrevi aqui .

Votos:
Tags: ovo  de  pascoa    chocolate    bacon    diferente    xocolatl    carolina  fernandes    bh    belo  horizonte    gourmet    cerveja    encomenda    harmonizacao 

|

18 abril 2014 13:46

Maletta: radiografia da retomada

Não costumo reproduzir no blog minhas matérias que são publicadas no jornal, mas essa aqui acredito que valha a pena, pois o que vi no edifício Maletta semana passada realmente me impressionou. Cheguei achando que seriam apenas umas três entrevistas rápidas para falar das novidades por lá, mas precisei de quatro horas para dar conta do recado, pois a matéria cresceu. Ao final, servição com nome, telefone e horário de funcionamento de tudo o que encontrei por lá nesse sentido.


Fotos: André Hauck/Divulgação


Eduardo Tristão Girão

Todo mundo já sabe do renascimento do edifício Maletta . O local vem atraindo novo e grande público com bares alternativos que tem sido abertos desde 2010 . Entretanto, se engana quem acha que esse movimento está restrito às casas debruçadas sobre a atraente varanda voltada para a Rua da Bahia. Continuando o rolê para o outro lado, adentrando os corredores e até mesmo indo para a calçada, há várias outras casas , cada qual com sua proposta. De hamburgueria com ares de pub a espaços (realmente) undreground, daqueles que fazem um hipster se sentir um mero playboy.

O prédio está em permanente mutação . Se no passado foi cenário de ebulição política e cultural , funcionando como ponto de encontro de artistas, escritores e boêmios, hoje reúne a juventude disposta a (re)colonizar o Centro , sedenta por novas propostas. Os novos “maletteiros” concordam: o marco dessa guinada foi a vinda da galeria de arte Quina , comandada por Rodrigo Furtini , para a varanda da Rua da Bahia, iniciando aglomeração informal de artistas e descolados em geral em julho de 2009 . A vista privilegiada para prédios antigos impressionou - e o aluguel saltou de R$ 300 para cerca de R$ 2 mil.

No ano seguinte, o argentino Santiago Calonga abriu a poucos metros dali o Arcangelo , o primeiro bar da retomada. “O aluguel era muito barato e mesmo que não desse certo, não teria problema. Niguém queria alugar loja para mim, pois achavam que eu iria falir. As casas que foram abertas depois se espelharam na minha. Não há uma estrutura formal de mobiliário, uniforme, mesas numeradas. É muito livre, sem classe social. É uma outra forma de se relacionar com o público ”, conta ele. A casa começou com três mesas e um sofá: hoje são 25 mesas em duas lojas e talvez uma terceira seja alugada.

Uma nova chef, Aline Soares (ex-Dádiva), assumiu a cozinha do bar este mês e passou a preparar risotos variados (R$ 22, cada), somando-os a itens já tradicionais por lá, como as empanadas (feitas pela mãe de Calonga, Juanita; R$ 4,90, cada). Também conta com chef o Café Biografias , o segundo mais antigo do pedaço. Por enquanto é o italiano Mattia Martelli (ex-Pecatore), já que o titular do posto é trocado a cada três meses. Entre as especialidades estão o sanduíche de porchetta com muçarela e mostarda (R$ 16), os pratos do dia (para almoço) e os cafés , já que Rodrigo de Freitas , um dos proprietários, é barista.

“Quando eu ainda não havia conhecido o Maletta por dentro, tinha uma imagem horrível do prédio na cabeça. Depois de visitar o Arcangelo, vi que não tinha nada disso”, confessa Freitas. Para seu sócio, Leonardo Cançado , a pluralidade é o grande atrativo do prédio: “Aqui há rotatividade muito grande. O custo era muito baixo, qualquer um vinha para cá. Uns quatro bares novos já fecharam as portas. O perfil do público é variado , muda de loja para loja. esse é o grande barato. Todo dia aparece gente perguntando sobre imóvel para alugar aqui”.



Coqueteleira
Aberto há um ano (e fora das varandas), o bar Nine recentemente voltou seu foco para o almoço , com prato do dia a R$ 12. De toda forma, continua funcionando à noite, quando serve coquetéis como o peppar alert (vodca de pimenta, licor de framboesa e suco de cranberry; R$ 16) e porções como a de pastéis com queijo e pimenta jalapeño ; R$ 24, 12 unidades). “A vantagem daqui é o espaço, já que a varanda é mais apertada”, diz Silvana Peixoto , uma das proprietárias.

São muitos os bares do Maletta que investem nos coquetéis , sendo o Dub uma das referências centrais no assunto. São nada menos que 46 variedades, 36 recentemente acrescentadas ao cardápio e várias delas criadas pelo bartender Miguel Paes . Entre suas sugestões estão o rabbit heart (vodca de frutas, laranja, suco de cenoura e lima; R$ 18) e o rehab (uísque, suco de lichia, bitter, limão siciliano e shrub de morango; R$ 19). “Sempre tenho algo fora do cardápio e gosto de desafiar e ser desafiado pelo freguês”, diz Paes.

Ocupando imóvel onde antes funcionaava a Quina, a Objeteria foi aberta há um mês pelo designer de produto Thiago Guimarães . “Eu estava para abrir uma fábrica de bicicletas e brinquedos, mas meu sócio desistiu. Como tinha a grana e minha irmã foi dona do bar Gata Seca aqui, vim para cá”, conta ele. Além de vender crepes (R$ 23, em média, cada), ele também põe preço em peças que produz, como cadeiras (há uma bem curiosa, feita com uma banheira cortada ao meio) e bonecos de toy art .

Também há arte à venda no Piolho Nababo , que não é propriamente um bar, apesar de vender cerveja (entre R$ 4 e R$ 5, long neck) e cachaça (R$ 0,50). Comandado pelo grafiteiro e artista plástico Desali , o espaço mais alternativo do prédio foi aberto principalmente para expor obras de jovens artistas. Os interessados em comprá-las dão lances (livres) como num leilão e, não havendo oferta maior num dado período de tempo, levam para casa. “Nosso objetivo é brincar com o mercado da arte e trabalhar a ideia de desapego”, afirma Desali.



Hambúrguer
Já consolidada como uma das melhores hamburguerias de BH, o Duke’n’Duke abriu as portas de sua primeira filial , semana passada, numa das lojas do Maletta que ficam na Avenida Augusto de Lima, mais precisamente onde funcionava o Bang Bang Burger - imóvel um tanto improvável. “Era nossa intenção crescer e enxergamos na cervejaria Wäls , dona do imóvel, parceira para isso”, afirma Fred Garzon , um dos proprietários da casa. A marca fornece uma cerveja pale ale exclusiva, além de outros rótulos próprios.

O Centro não estava nos planos, confessa, mas a afinidade com o ponto foi imediata: “O Dub, por exemplo, tem drinques que não são baratos e são muito bons. Já a gente, recebe clientes de todo tipo que reconhecem nosso sanduíche como algo diferente. Fora isso, acho que há demanda reprimida na região para almoço e happy hour”. Entre as novidades, está o Donato (R$ 32,90, com batatas fritas): pão francês redondo, hambúguer de carne seca, creme de mandioca, requeijão, cebola roxa, pimentão e pimenta dedo de moça.

ONDE IR
O edifício Maletta fica na Av. Augusto de Lima, 245, Centro (há outra entrada pela R. da Bahia). A portaria do edifício é fechada à 0h , mas quem já entrou pode permanecer até o fechamento de cada bar.

Ale Café
Varanda da Av. Augusto de Lima, sobreloja 10. (31) 3213-4442. Seg. a sáb., 17h/2h.

Arcangelo
Varanda da R. da Bahia, sobrelojas 2 e 3. (31) 3273-1351. Ter. a sáb., 18h/0h.

Bar do Olÿmpio
Varanda da Av. Augusto de Lima, sobreloja 34. (31) 9444-9200. Qua. à sáb., 18h/2h.

Café Biografias
Varanda da R. da Bahia, sobreloja 8. (31) 3567-4651. Seg. a sex., 12h/15h e 17h/0h; sáb., 18h/0h.

Dub
Varanda da R. da Bahia, sobreloja 5. (31) 3234-2405. Ter. a sáb., 18h/0h.

Duke’n’Duke
Av. Augusto de Lima, 245. (31) 3567-7570. Ter. a qui., 11h30/14h30 e 18h/0h; sex., 11h30/14h30 e 18h/2h; sáb., 12h30/2h; dom., 12h30/0h.

Gata Seca
Varanda da Av. Augusto de Lima, sobreloja 36. (31) 9984-0000. Ter. a sáb., 17h/1h.

Nine
Segundo andar, sobreloja 19. (31) 3024-9403. Seg. a qua., 11h/15h; qui. e sex., 11h/15h e 17h/0h; sáb., 17h/0h.

Objetoria
Varanda da R. da Bahia, sobreloja 6. (31) 9111-3084. Seg. a sáb., 18h/0h.

Piolho Nababo
Segundo andar, sobreloja 52. (31) 9782-2310. Qua. a sáb., 16h/1h.

Saideira
Varanda da Av. Augusto de Lima, sobreloja 28. (31) 9382-8781. Seg. a sáb., 17h/2h.

Votos:
Tags: maletta    maleta    edificio    predio    bar    bares    bh    belo  horizonte    duke  n  duke    arcangelo    biografias    nine    objetoria    piolho  nababo    gata  seca    dub 

|

16 abril 2014 14:20

Um salame que vem do mato



A De-Lá (31 3225-6347), que recentemente foi transferida de um imóvel acanhado para uma bonita loja na Rua Santa Rita Durão, 919, Savassi, está vendendo um salame muito bom e diferente do habitual, feito com carne de caititu na Fazenda Engenho d'Água , que fica próxima a Ouro Preto . A grosso modo, o bicho é um "primo selvagem" do porco e isso confere aroma e sabor distintos ao petisco, que não apenas pode ser fatiado para servir de aperitivo como também pode ser usado como ingrediente de receitas (já tem gente fazendo experiências). Um produto caro (R$ 40, mas são 500g!), raro e especial. Laura Cota , proprietária da loja, acaba de me informar que está para chegar a versão de 250g, o que ajudará a popularizar o produto, com certeza.

Estando lá, aproveite para provar e comprar outras coisas, pois a loja faz um trabalho muito legal com pequenos produtores brasileiros (sobretudo mineiros). Há sempre os ótimos queijos de Serra do Salitre , do respeitado produtor João Melo , por exemplo. Fora os doces, quitutes, cachaças, carne de lata, arroz vermelho da Paraíba e outros 60 itens feitos com cuidado e em pequena escala. Aliás, estão para chegar lá o queijo canastra real do de São Roque de Minas, bombom de castanha de baru de Pirapora, socol (lombo suíno curado) do Espírito Santo, geleia de pimenta biquinho de Mariana e pimentas cultivadas por índias do Amazonas, entre outros itens. Vale a visita .

P.S.: A loja também abre aos sábados , das 9h às 15h. Excepcionalmente neste sábado (por causa do feriado), a loja não abrirá .

Votos:
Tags: salame    caititu    catitu    cateto    pecari    porco  do  mato    belo  horizonte    bh    onde    comprar    de-la    de  la    laura  cota    engenho  d'agua    ouro  preto 

|

14 abril 2014 16:54

Tem bacon no ovo de páscoa

Um dos nomes confiáveis do chocolate em BH, Carolina Fernandes , da Xocolatl , manda avisar que está com linha de ovos de páscoa diferentes para a temporada. Há desde criações voltadas para crianças (com peças de chocolate que reproduzem as do Lego) até ovos “brasileiros” , como o feito com chocolate ao leite e recheado com brigadeiro de chocolate ao leite e doce de cupuaçu. A linha que chama mais a atenção é a de ovos pensados para o público cervejeiro , com três representantes: crocante de bacon (ovo interno de chocolate ao leite com bacon e ovo externo à escolha: chocolate ao leite, meio amargo ou amargo; harmonização: cerveja IPA para o ovo interno e estilos variáveis para o externo); chocolate stout (casca de chocolate meio amargo e pedaços de bolo de chocolate stout com brigadeiro de cerveja stout; harmonização: desnecessário dizer!); e caipira (casca de chocolate meio amargo e pedaços de bolo de rapadura com creme de queijo; harmonização: Saison de Caipira da cervejaria Wäls). Carolina usa apenas chocolate Callebaut , incluindo uma variedade equatoriana num dos ovos (o que leva doce de cupuaçu, no caso). Há possibilidade de mesclar metades dos ovos num mesmo pedido e os preços variam entre R$ 35 e R$ 110 , variando em função do tipo e do peso. Encomendas até este sábado, dia 19: (31) 9466-5760 e info@xocolatlcarolinafernandes.com.br.

Votos:
Tags: ovo  de  pascoa    chocolate    bacon    diferente    xocolatl    carolina  fernandes    bh    belo  horizonte    gourmet    cerveja    encomenda    harmonizacao 

|

07 abril 2014 20:05

Duas maratonas começando

Inspirem profundamente antes de começar, pois logo abaixo seguem as longas listas de bares participantes dos concursos Botecar e Comida di Buteco , que começam nessa quarta e sexta-feira , respectivamente. Juntos, os eventos totalizam 100 casas , cada uma com um petisco concorrente criado sem tema definido. Como a maioria já deve saber, o Botecar foi criado por proprietários de bares que decidiram sair do Comida de Buteco após Eduardo Maya, um dos seus fundadores, ter se desligado do concurso. Eventos rivais, portanto, e que farão com que essa temporada seja verdadeira maratona para os "colecionadores de figurinhas". No fim das contas, é uma boa oportunidade para que as organizações de ambos repensem regras, critérios e formato para esse tipo de evento. Eu mesmo cheguei a apontar problemas no Comida di Buteco (que gosto muito) aqui no blog . Agora é abrir a porteira e ver o que acontecerá.


BOTECAR
Adega & Churrasco
Rua Maura, 120, Palmares. (31) 3088-1555. Show de bola - Isca de alcatra embriagada na cerveja, com creme de cebola, acompanhada com mini batata, passada na manteiga de garrafa com ervas finas, envolvida no molho branco com creme de milho verde e servidos com torrada. R$ 28,90.

Agosto Butiquim
Rua Esmeralda, 298, Prado. (31) 3337-6825. Merenda de matuto - Maminha cozida ao vinho com almofadinhas de angú e farofa de feijão andú. R$ 28,90.

Armazém do Árabe
Rua Luz, 230, Serra. (31) 3223-1410. De trivela - Kibe com ela. Quibe assado acompanhado de coalhada seca. R$ 25,90.

Armazém Medeiros
Rua Rio de Janeiro, 2.221, Lourdes. (31) 3275-2665. Rumo ao hexa - Costelinha suina, assada na churrasqueira envolta em farinha de mandioca temperada, acompanhada de mandioca frita à moda Medeiros, molho barbecaipira e carambola. R$ 28,80.

Art Bar Tanganica
Rua Padre Demerval Gomes, 380, Coração Eucarístico. (31) 3376-7047. Meu camarão bate um bolão - Bolinho de bobó recheado com camarão, acompanhado de molho de abacaxi com pimenta e chips de banana. R$ 29.

Art do espeto mineiro
Rua Caxangá, 388, Guarani. (31) 3024-6998. Solte o grito galera... Brasil hexa!!! - Língua recheada com lingüiça defumada e bacon, ao molho especial picante, com mandioca cozida na manteiga de garrafa, decorada com cebolinha, salsinha, pimenta biquinho e alho desidratado.    R$ 26,90.

Autêntico's Bar
Rua Professor Mário Werneck, 2.275, Buritis. (31) 8304-9898. Cafu - Kafta mineira aberta recheada com angu, queijo e almeirão frito. R$ 26,90.

Bar da Ana
Rua José Brandão, 564, Barreiro de Baixo. (31) 3384-3034. Hexa suado - Costelinha com fubá suado e geléia de pimenta. R$ 25,99.

Bar da Cida
Rua Numa Nogueira, 287, Floramar. (31) 3434-8715.    Com o pé na copa - Pé de porco com batata e costelinha frita, pimenta biquinho e cheiro verde. R$ 26,90.

Bar da Claudinha
Rua Santa Cruz, 282, Alto Barroca. (31) 9622-4768. Vem que tem - Costelinha defumada com melaço de rapadura e cachaça, cebola em pétalas acompanhado de polenta picante. R$ 28,90.

Bar da Lora
Mercado Central, loja 115, Centro. (31) 3274-9409. Bola da vez - Carne de lata (lombo), batata baby, farofa de maracujá com bacon, molho agridoce de tomate grape. R$ 26,90.

Bar de Minas
Rua São Domingos, 171, Barreiro. (31) 3381-8576. Brazuca de Minas - Feijão branco, costelinha, lingüiça calabresa, bacon acompanha mostada e farinha da roça. R$ 24,90

Bar do Antônio (Pé de Cana)
Rua Flórida, 15, Sion. (31) 3221-2099. Mineirão no prato - Carne de sol, queijo coalho acompanhado de molho de mel de engenho. R$ 28,90.

Bar do Careca
Rua Simão Tamm, 395, Cachoeirinha. (31) 3421-3655. Língua show de bola - Língua ao molho do Careca. R$ 29,90.

Bar do Carmo
Rua Rio Verde, 393, Carmo. (31) 3024-4768. Seleção qui á di bão - Quiabo com bacon na chapa, costelinha desossada crostada na farinha de rosca e polenta frita. R$ 28.

Bar do Doca
Rua Cuiabá, 960, Prado. (31) 3291-6594. Bica eles canarinho - Canjiquinha com costelinha intercalada com queijo canastra. R$ 28.

Bar do Júnior
Rua Ouro Fino, 452, lojas 7 e 8, Cruzeiro (Mercado Distrital do Cruzeiro). (31) 3223-5822. Mineirinho na copa - Figado na chapa com jiló, quiabo e cebola, acompanhado com um molho defumado. R$ 22.

Bar do Kaka
Avenida Américo Vespúcio, 562, Aparecida. (31) 3658-0522. Comendo o jiló do peixe - Filé de tilápia empanado, jiló a milanesa e bolinho de queijo, acompanhando molho tartaro e molho picante. R$ 28,90.

Bar do Magal
Avenida Alberto Cintra, 322, loja 14, União. (31) 2515-6490. Mineiríssimo - Filezinho suino de panela com molho madeira, farofa de ovos, molho de goiaba picante e batata gratinada. R$ 24,90.

Bar do Rei
Rua Aladim Correia de Faria, 985, Barreiro. (31) 3381-0125. Caipirão da Copa - Enformado de carne moida recheado de frango com orapronóbis, angú e jiló cozido em caldo de carne, coberto com carne desfiada e queijo minas. R$ 27.

Bar do Salomão
Rua do Ouro, 895, Serra. (31) 3221-5677. Olé Brasil - Time Verde com bolinho de canjiquinha com queijo canastra; e time amarelo com bolinho de angu com couve e torresmo; tudo com uma pitada de geleia de jabuticaba. R$ 24,90.

Bar do Véio
Rua Itaguaí, 406, Caiçara. (31) 3415-8455. Seleção do Véio - Isca de frango com creme de queijo e torradas. R$ 29,90.

Bar do Zezé
Rua Pinheiro Chagas, 406, Barreiro Baixo. (31) 3384-2444. Largada da copa - Lagarto recheado, jiló assado e batata bolinha salteada em ervas. R$ 28,90.

Bar e Restaurante Casa Velha
Rua Além Paraíba, 400, Lagoinha. (31) 2551-1953. Pelerzinho ao molho da preta - Fraldinha na cerveja preta acompanhada de pão de queijo de torresmo. R$ 26,90.

Bar Estabelecimento
Rua Monte Alegre, 160, Serra. (31) 3223-2124. A taça do mundo é nossa - Pernil de lata (receita de família) sob gramado de couve, bolas de arroz ao curry e queijo canastra. R$ 26,90.

Barbazul
Rua Getúlio Vargas, 216, Funcionários. (31) 2535-3527. Fraldinha canarinho - Fraldinha assada com ervas, acompanhada de batatas coradas e molho de mostarda. R$ 28,90.

Barção Moreira
Rua Mombaça, 493, São Gabriel. (31) 3493-2078. Bolada brasileira - Porpeta de carne, porpeta de arroz com três queijo, caldo de feijão, torresmo e cachaça. R$ 26,90.

Bartiquim
Rua Silvianópolis, 74, Santa Tereza. (31) 3466-8263. Fé Felipão - Rabada, molho do jeito Bartiquim, finalizado com mostarda fresca. R$ 29,80.

Bazin Bar e Restaurante
Rua Ministro Orozimbo Nonato, 1053, Dona Clara. (31) 2552-9083. Canarinho - Dadinhos de costelinha desossada à pururuca, palitos de polenta temperada e frita com molho picante. R$ 26,90.

Borracharia Gastropub
Avenida Afonso Pena, 4.321, Serra (dentro do posto de gasolina, na esquina com Rua Bambuí). (31) 2127-4321. Moela neles!!! - Moela confitada na banha com molho de tomate defumado, acompanhado de pão artesanal. R$ 26.

Boteco da Carne
Rua Alvarenga Peixoto, 551, Lourdes. (31) 2555-8480. Lombinho bom de bola - Filé mignon de porco apertadinho acompanhado de molho escuro, batata bolinha espoleta, cebola caramelizada, farofa de farinha de milho, com couve e molho de rapadura. R$ 29,90.

Butecão do Leão
Rua David Alves do Vale, 25, Jaraguá. (31) 3497-8527    . Pimenta no cupim deles... Brasil!!! Cupim recheado com queijo provolone e calabresa, acompanhado de molho (alcaparras e champignon),  pimentas dedo-de-moça recheadas e empanadas, mandioca na manteiga do cerrado  e geléia de pimenta biquinho. R$ 27,90.

Buteco do Maranhão
Avenida Bias Fortes, 641, Lourdes. (31) 3046-3866. Buteco na copa - Maçã de peito ao molho de vinho com champignon e essência de fumaça. R$ 28,90.

Cantina da Ana
Avenida Silviano Brandão, 2.109, Horto. (31) 3463-6991. Língua palpiteira: hexa Brasil!!! Língua ao molho especial da Ana, purê de abobora moranga, bolinho de arroz. R$ 26,90.

Carlão Rei do Churrasco
Rua Dom Joaquim Silvério, 859, Coração Eucarístico. (31) 3375-9014. Bola de ouro - Contrafilé em tiras, bacon em fatias finas, acompanha farofa de lingüiça calabresa e molho de laranja. R$ 29,90.

Cervejaria Seu Romão
Rua São Romão, 192, Santo Antônio. (31) 3786-4929. Bêbados, ralados e enrolados - Rolinho recheado com carne cozida na cerveja e catupiry, acompanhado de batatinhas picantes e dois molhos especiais. R$ 26,90.

Chamego's Bar
Rua dos Aimorés, 1.912, Lourdes. (31) 3082-6377. Gol'stoso da copa - Filé suíno recheado com queijo coalho, acompanhado com batata ao creme de leite e molho de vinho. R$ 26,90.

Chef Túlio
Praça Estevão Lunardi, 24, Horto. (31) 3481-7724. Guadalajara 1970 - Bastonetes de lombo suino envoltos em bacon crocante, purê de feijão carioquinha sem farinha, molho de abacate com pimenta combuçi. R$ 28,95.

Chopp com espeto
Rua Frei Otto, 385, Santa Mônica. (31) 3452-2366. Costelinha Brasil - Costelinha suína, batata inglesa gratinada, tomate cereja e manjericão com molho especial de rapadura e gengibre. R$ 26,90.

Churrascaria do Itamar
Avenida 7 de abril, 874, Esplanada. (31) 3463-6585. Escalado pra copa - Costelinha na brasa, com farofa de farinha de milho e bacon e molho da casa. R$ 27,90.

Curin Bar
Rua Érico Verissímo (Rua Astecas), 2722, Santa Mônica. (31) 3452-7101. Solanáceas da vovó - Berinjela à milanesa, molho à bolonhesa, queijo ralado, cheiro verde. R$ 8,50 (unidade).

Escritório da cerveja
Avenida General Olímpio Mourão Filho, 800, Planalto. (31) 3491-2258. Sensações em verde e amarelo - salsichão coreano picante, acompanhado de batata com creme de manjericão, castanha de caju e bacon desidratado e molho de mostarda com mel. R$ 29,90.

Família Paulista
Avenida Alberto Cintra, 56, União. (31) 3484-4598. Escorregou no quiabo e engoliu o frango - Espetinhos com medalhão de quiabo e sobrecoxa de frango, acompanhado de angu mole. R$ 25,90.

Gabiroba Butiquim
Avenida Padre Vieira, 319, Minas Brasil. (31) 3413-2927. Tilápia grelhada padrão Fifa - Trio de ataque: Serginho Tilápia, Roberto Batata com açafrão e Algamarra. R$ 29,90.

Geraldim da Cida
Rua Contria, 1.459, Grajaú. (31) 3334-9355. Bola na rede - Bola de carne (patinho) recheada com bacon, ovos de codorna, azeitona e cheiro verde, servida em cima de creme de milho verde com ervas. R$ 25,90.

Köbes
Rua Professor Raimundo Nonato, 31A, Horto. (31) 3467-6661. Balançando a rede nos quintais - Porquinho a moda acompanhado de creme de arroz com bacalhau, purê de mandioca com batata e pasta de tamarindo. R$ 25,90.

Macaxeira
Avenida Guarapari, 1.099, Santa Amélia. (31) 2531-1097. Baianim montado no jegue - Carne de sol do Nordeste, tropeiro nordestino e purê de macaxeira. R$ 25,90.

Patorroco
Rua Turquesa, 865, Prado. (31) 3372-6293. Tutu bola - Bolinho de tutu recheado com filé suíno e couve, coberto com crocância de torresmo e acompanhado por molho picante. R$ 17,50.

Petisqueira do Jacaré
Avenida Francisco Negrão de Lima, 61, Enseada das Garças. (31) 3497-2669. Costelinha do hexa - Costelinha suína regada ao molho especial da casa acompanhada de bolinhos de bacon. R$ 29,50.

Pimenta com Cachaça
Avenida do Contorno, 8.699, Gutierrez. (31) 3087-6822. Isteique pirado na copa - Steak angus servido com molho picante de uva e purês verde (batata, espinafre e manjericão) e amarelo (batata, açafrão e queijo). R$ 29,90.

Silvio's Bar
Rua Begônia, 199, Esplanada. (31) 3482-3001. Mineirão - Chapa mista: carne bovina, lingüiça de porco, pernil em cubo, acompanhado de batata southe e mandioca frita na manteiga de garrafa, salpicada com mussarela e pimenta biquinho. R$ 29,90.

Via Cistina
Rua Cristina, 1.203, Santo Antônio. (31) 3296-8343. Hexa mineirão: Feijão tropeiro, mini lingüiça de lombo e lingüiça de frango, bolinho de mandioca recheado com catupiri, bolinho de arroz recheado com mussarela e toresmo pururuca. R$ 27,90.

Walmir Bar e Restaurante
Rua Quimberlita, 320, Santa Tereza. (31) 4131-0031. Trupico do boi - Mãozinha, joelho, carne de sol, calabresa, rabinho, orelha e pazinha, acompanhado de farinha na manteiga com pimenta biquinho e torresmo. R$ 29,90.

Zezão Bar
Rua José De Alencar, 799, Nova Suissa. (31) 9773-7242. Trança camisa  10 - Trança de lombo com recheio de damasco, catupiry, bacon e molho barbecue, acompanhado de farofa temperada. R$ 28,90.

Zoo Bar
Avenida Otacílio Negrão de Lima, 7.844, Zoológico. (31) 3491-7455. É do Brasiiilll - Iscas de filé de peixe empanadas, acompanhadas de molho especial da casa e batatas baby cozidas, regadas com azeite, alho e ervas. R$ 27,90.


COMIDA DI BUTECO
222
Av. Francisco Deslandes, 222, Anchieta. (31) 3287-7712. Frango com catupiry 222, acompanhado de cebola empanada e molho de hortelã com especiarias. R$ 24,50.

Aladinhos, O franguinho
Rua Guajajaras, 2031, Barro Preto. (31) 3295-1018. Frango à passarinho ao alho e óleo, acompanha molho especial da casa. R$ 23,90.

Ali Ba Bar
Rua Matias Cardoso, 345, Santo Agostinho. (31) 3337-9114. Espetinho de filet mignon, mini panquecas ao crème de maionese, cestinha de carne seca ao creme. R$ 24.

Amigos e Memórias
Rua Daniel de Carvalho, 1061, Gutierrez. (31) 3334-3970. Maçã de peito com angu e jiló. R$15.

André Caldos
Av. Raul Mourão Guimarães, 370, Palmares. (31) 8854-8296. Cafta mineira, acompanhada de pêssego em caldas e molho especial. R$ 21,90.

Bar Bambu
Rua Divisa Nova, 671, Salgado Filho. (31) 7508-4820. Rocambole de peixe acompanhado de batata e molho especial. R$ 24,50.

Bar da Adriana
Av. Valdomiro Lobo, 1841, São Bernardo. (31) 3494-0023. Peixe frito com molho tártaro. R$ 24,50.

Bar da Leila
Rua Amazonita, 377, Pompéia. (31) 3053 2917 / (31) 8951-2397. Linguiça defumada, batatas miúdas, molho especial e bacon crocante, cebolinha e pimenta biquinho para colorir. R$ 24,50.

Bar do Careca, O Pescador
Rua Gastão da Costa Pinheiro, 210, Jardim Guanabara. (31) 3434-6448 / (31) 9251-0369. Peixe, queijo e picanha. R$ 24,50.

Bar do Cláudio, O Rei da Omelete
Av. Brasil, 125, Santa Efigênia. (31) 3037-2601. Cupim servido com batatas chips, coberto com queijo e molho especial. R$ 24,50.

Bar do Gil
Rua Mar de Espanha, 343, Santo Antônio. (31) 3297-1564. Maçã de peito, Linguiça de porco e frango, torresmo e mandioca. Acompanha polenta. R$ 21,90.

Bar do Dedinho
Av. Deputado Anuar Menhen, 231, Santa Amélia. (31) 3047-1012. Polpetas de boi recheadas com estrogonofe de queijo, pelotas de frango ao molho de manga e bolinhas de batata com parmesão ralado. R$ 24,50.

Bar do João (São João Batista)
Rua Geralda Marinho, 117, São João Batista. (31) 3451-2746. Miolo de alcatra serenada passada na manteiga, acompanhada de torresmo de barriga crocante, almondega frita e batatinha baby na conserva com molho especial. R$ 24,50.

Bar do Primo
Rua Santa Catarina, 656, Lourdes. (31) 3335-6654. Carne de panela ao molho especial, tradicional, guardado em 60 anos de histórias. R$ 24,50.

Bar do Romeu
Av. Valdomiro Lobo, 1050, Guarani. (31) 3433-1845. Rolinhos de peito de frango recheados com presunto, muçarela e ameixa. R$ 21,90.

Bar do Tonho
Rua Demétrio Ribeiro, 50, Vera Cruz. (31) 3483-7560. Costelinha de porco com ara-pro-nobis e angu. R$ 16,90.

Bar do Mercado Central
Avenida Augusto de Lima, 744, loja 45, Centro (Mercado Central). (31) 3273-2333. Lombo, fígado, jiló empanado, ora-pro-nobis e mostarda. Acompanha molho de alho especial. R$ 24,50.

Bar Pompéu
Rua São Miguel, 1243, Itapuã. (31) 3443-5760. Picadinho de filet ao molho gorgonzola, filezinho de frango com molho de maionese e provolone, mini almôndegas ao sugo e lombo em conserva. R$ 24,50.

Bar Temático
Rua Perite, 187, Santa Tereza. (31) 3481-4646. Costela suína no bafo com batatas e melaço de cebola roxa. R$ 24,50.

Barracão Butiquim
Rua Antônio Justino, 438, Pompéia. (31) 3481-0624. Bife de carne bovina enrolado e recheado com legumes e bacon. Acompanha molho de maionese com queijo gorgonzola, alho poró, cebola baby e cesta de pães. R$ 22,90.

Berga 8
Rua Grão Mogol, 299, Sion (entrada pela rua Campanha). (31) 3286-2416. Maça de peito braseada na panela com molho de pimentas aveludadas. Servida com polenta gratinada ao queijo. R$ 24,50.

Buteco do Lili
Rua Libero Badaró, 493, Dona Clara. (31) 3582-5246. Carne, Torresmo, queijo Minas, jiló empanado, linguiça e mandioca. R$ 24,50.

Buteco’s Bar
Rua Ernesto Braga, 02, Santa Amélia. (31) 3047-1578. Filé de Tilápia empanado com purê de batata gratinado e molho agridoce picante. R$ 24,50.

Café Bahia
Rua Tupis, 369, Centro. (31) 3274-4530. Braseado das seguintes carnes no molho da Dona Vina: Maçã de peito, pernil em cubos de linguiça. Cebolinha, batata e pimentões. Acompanha polenta frita. R$ 24,50.

Café Palhares
Rua dos Tupinambás, 638, Centro. (31) 8233-1211. Kaol/Couve, arroz, ovo e linguiça. Tradicional PF do Palhares, acompanha molho da casa. R$ 22,90.

Casa Cheia
Rua Cláudio Manoel, 784, Savassi. (31) 3234-6921. Jarret suíno temperado com ervas e marinado ao vinho servido com creme de milho verde. Acompanha batatas do chef. R$ 24,50.

Chalé da Costela
Av. Sebastião de Brito, 803, Dona Clara. (31) 3491-9868. Costela de boi assada acompanhada de molho especial da casa. R$ 24,50.

D’Leve Bar
Rua Mato Grosso, 300, Barro Perto. (31) 3272-6709. Bolinho de língua, empanado em gergelim e aveia, servido com mandioca; bolinho de língua crocante, empanado, servido com abóbora e mini-quibe de língua com ervas e canela. Acompanha dois deliciosos molhos. R$ 24,50.

Dona Suíça
Av. João Samaha, 390A, São João Batista. (31) 3457-4156. Frango ao molho com lombo defumado e batatas baby surpresa. R$ 24,50.

Em Canto - Bar du Beto
Rua Deputado Bernardino de Sena Figueiredo, 1011, Cidade Nova. (31)3484-6900. Carne de lata acompanhado de molho de rapadura com canela, molho de ervas, e farofa de amendoim. R$ 24,50.

Espaço Di Buteco
Rua Padre Eustáquio, 870, Carlos Prates. (31) 2516-6065. Contra-filé com coração assados na brasa, ao molho da casa, acompanhado de batata assada recheada com bacon e queijo. R$ 24,50.

Guigo’s Bar
Rua Rubi, 515, Prado. (31) 9998-3470. Codornas fritas, servidas com molho de jabuticaba, creme de maioneses com alho desidratado, guarnecidos com palitos de polenta. R$ 24,50.

Já To Inno
Rua Benjamin Dias, 379, Barreiro. (31) 3384-1198. Filé mignon suíço recheado ao molho especial acompanhado de mandioca na manteiga e torrada de alho poró. R$ 23,90.

João da Carne
Rua Sabinópolis, 172, Carlos Prates. (31) 3462-4899. Costelinha de porco com molho de alho refogado com laranja, mini cebolas agridoces com pimenta biquinho e molho picante. R$ 24,50.

Koqueiro’s Bar
Av. Silviano Brandão, 1293, Sagrada Família. (31) 8749-5372. Língua de boi, moela, carne de panela. Acompanha molho de abacaxi com pimenta. R$ 22,90.

Magrelo’s Bar
Av. Serrana, 365, Serrano. (31) 3475-0113. Lombo de panela com calda de goiaba cremosa. Acompanha torrada com maionese. R$ 24,50.

Maria Lelé
Rua Pouso Alegre, 1824, Santa Teresa. (31) 2512-2016. Tulipas de almôndegas recheadas com purê de batata e bacon, pernil acebolado com conserva de gengibre e molho de maracujá com cachaça. R$ 24,50.

Mercearia do Lili
Rua São João Evangelista, 676, Santo Antônio. (31) 3293-3469. Parte do contra-filé cozido servido com mandioca, cebola, alho e manteiga de garrafa. R$ 24,50.

Mulão
Rua Marambaia, 291, Caiçara. (31) 3412-6505. Almondegas de carne de boi, com bacon, recheadas com azeitonas fatiadas, ao molho caseiro de tomate. Acompanha mini pães e maionese com molho cheese. R$ 18.

Pé de Goiaba
Rua Alpes, 507, Nova Suíça. (31) 9971-3906. Medalhão de carne de porco com mini batatinhas ao molho da casa e queijo catupiry. R$ 24,50.

Ponto do Tropeiro
Rua Dr. Pedro Pinto, 77, Alto Caiçara. (31) 3243-0154. Filé de frango ao vinho. Acompanha laranjinha de arroz e batata flambada. R$ 24,50.

São Tomilho
Rua Rubi, 275,Prado. (31) 3234-5633. Cubinhos de pernil em molho de tomate caseiro, angu de corte da roça e mostarda verdinha. R$ 24,50.

Traira’s Beer
Rua das Canárias, 395, Santa Amália. (31) 3443-8576. Cubos de traíra à doré com molho mineirinho, acompanha frios. R$ 22,90.

Us Motoca
Rua Zircônio, 531, Camargos. (31) 2127-1914. Lombo Suíno empanado e recheado, servido com molho especial guarnecido com toradas de pão de forma. R$ 23,90.

Vereda
Rua Junquilhos, 1269, Jardim América. (31) 3373-3800. Bolinho dito e feito acompanhado de surpresa de carne de sol, mandioca frita, creme de milho e molho vereda. R$ 23,90.

Votos:
Tags: comida  di  buteco    cdb    botecar    concurso    evento    bar    bares    gastronomico    lista    participantes 

|

04 abril 2014 16:42

Um passeio à portuguesa

Um post rápido, só para registrar os ótimos vinhos que provei no evento realizado pela importadora Adega Alentejana esta semana em BH. Foi um salão de degustação exclusivamente de vinhos portugueses , com cerca de 110 rótulos das regiões do Douro, Alentejo, Península de Setúbal, Tejo, Lisboa e Minho. Um dos pontos altos , sem dúvida, foi esse alentejano que é um clássico de Portugal:



Elaborado com as castas alicante bouschet e trincadeira, o Mouchão 2008 é um grande vinho. Tinto realmente memorável, produzido pela Herdade do Mouchão . Complexo, estruturado, persistente e com mineralidade evidente. A vinificação das uvas é feita com pisa a pé em lagares e o vinho estagia por dois a três anos em madeira com idade de uso superior a 40 anos. Fantástico - ainda mais se compararmos o preço dele (cerca de R$ 230) aos de outros ícones portugueses, como Pêra Manca e Barca Velha, que se aproximam ou até passam dos R$ 1.000.

Da mesma vinícola, que tive o prazer de visitar anos atrás na companhia do seu enólogo, Paulo Laureano , provei outro tinto interessante e de perfil diferente (algo mentolado), o complexo Ponte das Canas 2009 (cerca de R$ 167), feito com alicante bouschet, syrah, touriga franca e touriga nacional. Também da Herdade do Mouchão, agradaram o tinto 2010 e o branco 2012 da linha Dom Rafael (cerca de R$ 70 e R$ 63, respectivamente). Ah, provei também o azeite feito na propriedade com azeitonas galega (90%) e cobrançosa (10%), excelente como sempre (cerca de R$ 56, 500ml).

Logo ao lado, reencontrei rótulos conhecidos da vinícola própria de Laureano, a Paulo Laureano Vinus , também sediada no Alentejo. Quando cheguei, o tinto Tradições Antigas 2011, fermentado em talhas de barro, já havia acabado. Uma pena! Entretanto, tive o prazer de experimentar dois bons tintos dele, o Miguel Maria Laureano Genus Generationes Alfrocheiro 2010 (com bom frescor e muita especiaria; cerca de R$ 178) e o Paulo Laureano Selectio Tinta Grossa 2010 (o produtor diz ser o único a trabalhar com tinta grossa no país; cerca de R$ 225).

No estande da Quinta do Noval , a supresa (para mim) foi experimentar bons tintos do Douro como o Cedro do Noval 2009 (syrah, touriga nacional e touriga franca; cerca de R$ 119), uma vez que a marca é muito associada ao vinho do porto. Já na prova dos vinhos da Horácio Simões (Península de Setúbal), confirmei que a família que admnistra a vinícola continua a fazer alguns dos melhores moscatéis portugueses, a exemplo do Moscatel de Setúbal 2009 (cerca de R$ 72) e do Moscatel Roxo 2008 (cerca de R$ 137). Ambos são excelentes companhias para encerrar uma refeição.

Provei vários outros vinhos que gostei, como os da Fundação Eugénio de Almeida e da Tapada do Fidalgo , ambas no Alentejo. Entre os primeiros, foi interessante comparar as versões Colheita 2010 (cerca de R$ 162) e Reserva 2009 (cerca de R$ 234) do icônico Cartuxa, estruturados e com taninos firmes. Falando dos segundos, gostei de encontrar boa qualidade no branco da linha de entrada, o Tapada do Fidalgo 2012 (cerca de R$ 52), corte de verdelho, arinto e antão vaz. Também gostei bastante do tinto Tapada do Fidalgo Reserva 2011 (macia combinação de alicante bouschet, aragonez e trincadeira; cerca de R$ 84).

Votos:
Tags: adega  alentejana    vinho    portugues    portugal    bh    belo  horizonte    degustacao    vinhos    produtores 

|


« primeira    « anterior    
Mostrando (1-10) de 486 resultados.