Quinta-feira, 16 de outubro de 2014 07:38 pm

Vai ter autódromo em Curvelo sim... aliás, já está a caminho...

Quem acompanhou pelo blog, ou nas matérias publicadas no Estado de Minas a saga do Autódromo Internacional de Curvelo pode ter achado que a iniciativa se transformou em mais um projeto cheio de boas intenções, mas sem resultado prático. Bem verdade que nos últimos meses imperou o silêncio sobre o assunto, e é mais fácil associá-lo à falta de novidades. Mas novidades houve, e muitas. E, por um caminho algo diferente do original, é possível garantir que haverá pista já em 2015, no mínimo cumprindo os requisitos de segurança das federações internacionais de Automobilismo e Motociclismo, sem as quais nenhuma pista é homologada para receber nem corrida de rolimã.

Pois eis que havia um terreno na cidade mineira, e neste terreno surgiu um primeiro desenho de traçado, e para ele foi estabelecida parceria com o Governo do Estado, abrindo o caminho para eventuais financiamentos e suporte técnico. Por outro lado, na mesma cidade, surgiu a perspectiva de fazer algo semelhante em outro local, mais próximo da área urbana. Já havia o terreno comprado, os primeiros estudos feitos e as negociações com as autoridades encaminhadas.

Felizmente, e ao contrário do que costuma acontecer em casos do tipo, optou-se por juntar as forças, trazer o que de bom havia de um lado e de outro. Unido, o grupo começou a trabalhar mineiramente nesta nova área, bem mais preparada para receber um empreendimento deste porte. Fez-se uma primeira terraplenagem e já há, ainda na terra, o desenho do circuito. Do circuito não, do Circuito dos Cristais, como será conhecido, valorizando uma das grandes riquezas locais.

E já se vai o projeto tão adiantado (considerando-se os prazos e limitações do anterior) que não só a Prefeitura deu seu aval, como as licenças devidas foram obtidas - inclusive para a criação de um condomínio no entorno, que dará aos proprietários/cotistas o direito de usufruir da pista e também com ela lucrar. Ainda não posso dizer quem, mas um nome de peso, bastante conhecido, entrou na parceria com o fornecimento das máquinas que vão "atacar" a terra e dotá-la das condições de drenagem, proteção, contenção e tudo mais. Sem contar que já está pronta a análise e a composição do asfalto para as condições locais, e agora é bem mais uma questão de as chuvas permitirem ou não o que determinará quando as camadas asfálticas terão sido postas.

 
Não é para passar o carro na frente dos bois e sonhar com corridas nacionais ou internacionais já no ano que vem, que há toda uma infraestrutura adjacente ainda por tirar do papel - boxes, torre de cronometragem, estacionamentos, paddock, áreas de convivência e por aí vai. Mas desta vez a coisa anda, e todos ganharemos um espaço com possibilidade de provas de motocross, enduro, rali, ralicross, mountain bike, além, lógico, das que ocuparão o espaço mais precioso do complexo. Nada gigantesco, ou faraônico, mas funcional, adequado, pronto. E o blog retoma a torcida e a confiança demonstrada desde o início, quando não parecia mais do que uma maluquice, mas que foi conquistando "malucos" que acreditaram pelo caminho, e está muito mais próximo de sair do que se imaginava. Antes assim...

Votos:
|

Terça-feira, 14 de outubro de 2014 05:54 pm

Vale-tudo à inglesa...

Não tem como não ser fã do automobilismo inglês. Assim como na música eles se especializaram em exportar sons de qualidade, nas pistas também não fazem as coisas pela metade. Corre-se de tudo, em todo final de semana, e não importa se a grana no bolso é muita ou não; se o carro é um surrado Uno ou uma Aston Martin Vantage GT. Basta ver a quantidade de clubes que organizam e supervisionam campeonatos e corridas, uma verdadeira sopa de letrinhas. Temos BARC, BRDC, Britcar, BRSCC; cada qual com sua penca de campeonatos. Pois este post é justamente sobre o último deles, o British Racing & Sports Car Club, e uma iniciativa que serve de exemplo para qualquer país que se preze.



Nunca é demais lembrar que categorias surgem e desaparecem, regulamentos nascem e são trocados, e as máquinas ficam na garagem, pegando poeira caso não tenham onde e como correr. O que pensaram os amigos ingleses então: peguemos todo e qualquer protótipo (ou Sportscar, como eles conhecem) e criemos um campeonato em que todos podem acelerar. O sujeito tem um Radical SR3? Vale. Uma Audi R18? Na teoria, também. Lógico que há categorias (a lista está abaixo, em inglês), e que nem sempre potência e dinheiro a mais são sinônimos de vitórias.

No Open Sports Car Series (OSS, para os íntimos), cabe qualquer coisa. Inclusive os esquisitos Mallocks, monopostos carenados que não somam pontos, mas podem engrossar os grids. E há Junos, Radicals, Speads, um Lola/MG EX264 – temos CN, CN2, LMP675 e teremos provavelmente muitos LMP3, já que fabricantes como Ginetta e Oreca estão de olho no mercado. E até onde consta não há discussões inúteis, brigas de bastidores, tentativas de ganhar no grito. Todos se ajudam e quem pode mais chora menos. E pensar que nas garagens deste Brasil há protótipos e mais protótipos, Spyders, Aldees, Scorpions, Moros... Que inveja dos ingleses...

Class A           Over 2001 cc

Class B           1501 to 2000 cc

Class C           1301 to 1500 cc

Class D           1001 to 1300 cc

Class E            Up to 1000 cc

Class F           Non motor cycled engined closed to cars over 2001 cc

Class G          Non motor cycled engined closed top cars under 2000cc

Class H          Single seater chassis based cars with sports prototype body work.
Examples, cars such as Speads, Stohr & AKS. These cars are ineligible for the Championship but compete for their own end of season cup.


Votos:
|

Segunda-feira, 13 de outubro de 2014 06:37 pm

Por Lênin (#ForcaJules)

*** Pois o circo rompeu a última fronteira e finalmente acelerou em terras russas; o que aliás, esperava-se há bem mais tempo do que em locais como Barein e Coreia do Sul, com todo o respeito que merecem. Basta ler as duas primeiras linhas para entender como o outrora "inimigo vermelho" (não meu...) pode ter demorado a entrar de cabeça no automobilismo, mas está tirando o atraso com sobras. E a corrida foi até animadinha, embora o senhor Nico Rosberg mostre, com os vários pequenos erros em sequência, que não é tão forte psicologicamente quanto se imaginava, Curta a coluna e um abraço...

  Por Lênin
    (#ForçaJules)
   
    Sirotkin, Martsenko, Matveev, Isaakyan, Pronenko, Evstigneev, Orudzhev, Tereschenko, Korneev, Romanov, Salikhov, Markelov, Zlobin e Kaminskiy. Não é escalação de time de futebol (mesmo porque tem gente demais), mas uma lista dos camaradas que defendem o Exército Vermelho (e azul e branco) nas principais categorias de base do automobilismo Europa afora. E que serve para mostrar como a Rússia, há muito tempo, merecia seu lugar ao sol no circo. Ao sol e entre mar e montanha, com o Parque Olímpico de Sochi como moldura de um circuito que, para o primeiro ano, proporcionou uma corrida movimentada e, felizmente sem sustos, o que não é garantia de que se repita nos próximos anos – assim ensinam os outros traçados "by Hermann Tilke".

    Me estranhou apenas, e aí talvez tenhamos uma consequência do triste acidente de Suzuka, que não tenhamos tido, em certas áreas de escape, barreiras como as de Monza, para desencorajar o corte de caminho ou fazer com que ele fosse punido com perda, e não ganho de tempo. Numa categoria que ficou obcecada com o respeito às linhas do traçado, ficou bastante barato para quem perdeu o ponto de freada no retão. E a interminável curva que margeia a praça onde está a pira olímpica aproveitou o que já existia de forma sensacional. Não chegamos a ter algo como Montreal, mas é infinitamente melhor, por exemplo, do que Cingapura, ou outras pistas que se foram sem deixar saudade.

    Mas eu falava da legião russa e de como foi difícil chegar ao estágio atual. Do período de Guerra Fria nem falamos – e que curioso que as equipes embalem tudo em Sochi para seguir... para os Estados Unidos, sem qualquer outra etapa a separar os outrora rivais políticos – mas, quando teve início a abertura, tentou-se usar o potencial da indústria aeroespacial para criar máquinas que voassem nas pistas. Nem é preciso dizer que não deu certo, menos por falta de competência e mais por isolamento. Os circuitos, na sua maioria, eram de rua e bastante rústicos; e as categorias envolviam apenas a produção local (leia-se: Lada/VAZ e monopostos bastante ingênuos). Não por acaso nenhum piloto capaz de chegar à F-1 surgiu no período.

    O fim da União Soviética melhorou um pouco as coisas (ao menos nas pistas). E os bancos e gigantes do gás e do petróleo que surgiram então, muitas comandadas por privilegiados homens de confiança do regime comunista, passaram a irrigar o automobilismo com patrocínios polpudos. Surgiu inclusive uma espécie de fileira, um projeto "a la Red Bull" que fez com que se revelasse o exército citado no começo. Em países como a Itália, mesmo categorias de turismo foram invadidas pela armada russa, que ainda não é capaz de bater os alemães (como fizeram nas gélidas batalhas da 2ª Guerra), mas vem revelando talentos em quantidade e qualidade, bem mais do que países de tradição muito maior nas pistas, como um certo Brasil. E com dinheiro, ainda que de origem nebulosa, fica tudo mais fácil.

    Fácil inclusive criar um complexo como o de Sochi, que merece ser usado por outras categorias internacionais, e que bem poderia servir de inspiração para o Rio. Por que não criar um circuito em Jacarepaguá exatamente onde estava o anterior? Sim, porque outro, em Deodoro ou onde quer que seja, não vai sair. O que é cada vez mais claro é que nos acostumaremos a ouvir a "Internacional"; o hino russo, não só antes das corridas, mas nos pódios também...

    Hors concours

    Da corrida, além do imperdoável erro de estratégia da Williams com Felipe Massa (custava esperar mais umas cinco voltas, pelo menos, para então trocar os pneus?), chama a atenção a fase cada vez mais desastrosa da Ferrari, que entregou os pontos pensando em 2015 e, de pontos mesmo, tem tão poucos que será não mais que a quarta força entre os construtores. Ou a terceira, se eu usar a frase tantas vezes contada por Pepe, grande ponta do Santos, dos tempos áureos. "Eu sou o maior artilheiro da história do clube. O negão (Pelé) não conta, porque é de outro planeta". Assim estamos com as Mercedes, numa categoria à parte. E aos poucos vai se fazendo justiça. Hamilton é muito mais piloto...


Votos:
|

Sexta-feira, 10 de outubro de 2014 06:12 pm

Agenda: olhe bem para o Oriente...

Não deixa de ser curioso que, num fim de semana de cinco mundiais sobre rodas, todos eles ocorram no Oriente, muito embora Sochi, palco do primeiro GP da Rússia, esteja na porção europeia do país. Mas Moto GP, Endurance e Turismo aceleram literalmente do outro lado do mundo, fazendo a alegria de chineses e japoneses. Sobre o FIA WEC, aliás, triste descobrir que o calendário de 2015 não prevê visita a Interlagos, que estará, segundo os planos da Prefeitura de São Paulo, recebendo a cara nova em termos de instalações. O problema é que Nurburgring entrou e, com a força de Audi e Porsche, é muito difícil que saia depois. Corremos o sério risco de perder o que era o outro Mundial em terras verde-amarelas, depois que o WTCC bateu asas para não mais voltar. Pensar que a vizinha Argentina, com toda pindaíba possível, recebeu Turismo, Moto GP e vai receber o Rallycross.

Como nem tudo são notícias ruins (falando nisso, segue a torcida por Jules Bianchi e sua ingrata luta pela vida, bem como a certeza de que o acidente foi consequência de uma cascata de erros), o sábado e o domingo marcam a volta da representação brasileira no Europeu de F-3, na figura do mineiro Sérgio Sette Câmara, que eu vi dar as primeiras aceleradas no kart quando ainda não alcançava os pedais do brinquedo. Com muito talento, trabalho e uma carreira bastante bem planejada, lá vai ele meter o bico do Dallara da equipe Eurointernational no meio dos de Verstappen, Ocon, Giovinazzi, Fuoco, Blomqvist e outros tantos, num aquecimento para 2015. Querer resultados sensacionais de cara é exagero diante do desenvolvimento da categoria, e da importância de conhecer bem os traçados, trata-se de plantar agora para colher mais à frente. Por aqui, vamos de F-Truck em Guaporé e Copa Brasil de Kart, em Goiás.

Internacional
Mundial de F-1: 16ª etapa – GP da Rússia (Sochi)
Mundial de Endurance (FIA WEC): 5ª etapa – 6h de Fuji (JAP)
Mundial de Turismo (FIA WTCC): 10ª etapa – Xangai (CHI)
Mundial de Rallycross (FIA RX): 11ª etapa – Istambul (TUR)
Mundial de Moto GP: 15ª etapa – GP do Japão (Motegi)
Asian Le Mans Series: terceira etapa – Xangai (CHI)
GP2: 10ª etapa - Sochi (RUS)
GP3: 8ª etapa - Sochi (RUS)
Europeu de F-3: 10ª etapa – Imola
Nascar Sprint Cup: 31ª etapa – Bank of America 500 (Charlotte)
Nascar Nationwide Series: 30ª etapa – Drive for the Cure 300 (Charlotte)
V8 Supercars: 12ª etapa - Bathurst 1.000

Nacional
Brasileiro de F-Truck: 8ª etapa – Guaporé (RS)
Copa Brasil de Kart: Itumbiara (GO)

Na telinha
Sexta-feira

20h35   Nascar Nationwide (Charlotte)            Fox Sports 2

Sábado
0h30     Mundial de Moto GP (treinos oficiais - GP do Japão)     Sportv 2
6h35     GP3 (Sochi)                                     Sportv
8h        Mundial de F-1 (treino oficial - GP da Rússia)                Sportv 3
9h35     GP2 (Sochi)                                     Sportv 3
20h30   Nascar Sprint (Charlotte)                     Fox Sports 2

Domingo
0h15      Mundial de Moto GP (GP do Japão)     Sportv 3
8h         Mundial de F-1 (GP da Rússia)            Globo
13h40    F-Truck (Guaporé)                              Band

Votos:
|

Quinta-feira, 09 de outubro de 2014 08:41 pm

BlackM: diversão na medida certa...

O amigo leitor conhece ou já ouviu falar do BlackM? Se pensou numa BMW preta preparada pela divisão esportiva da marca bávara, errou de goleada. Este foi o nome escolhido pelo piloto e preparador italiano Mauro Cesari para sua criatura. Que nasceu com um objetivo simples: garantir diversão semelhante à proporcionada pelos GTs de milhares de dólares por um custo bem mais baixo. E a fórmula encontrada talvez não seja tão diferente da vista em vários exemplos pelo mundo (boa parte deles mostrada no blog, como o Palatov, o Factory Five GT, o Praga GT e alguns mais): baixo peso, eficiência aerodinâmica, simplicidade mecânica e um estilo bastante característico.



Cesari juntou um chassi tubular a uma mecânica Fiat 1.400cc turbo (o conhecido T-Jet), com 200cv, carroceria em fibra de vidro; câmbio sequencial de seis marchas; freios dianteiros e traseiros a disco com pinças de seis pistões e um estilo bastante interessante. Tudo por 32 mil euros (algo em torno de R$ 90 mil), o que, considerando os preços de uma Ferrari 458, de uma Porsche 911 GT3RS ou uma Lamborghini Gallardo, é uma pechincha. Cesari tem feito provas isoladas na pista de Magione, em Perugia, próximo de onde está sua estrutura, mas não esconde que, num futuro não tão distante, quer organizar um monomarca, e ver suas máquinas acelerando em competições de endurance que permitam sua participação. Tudo bem, temos os Spyder, e tal, mas seria um barato termos carros assim por aqui, ainda mais que a mecânica está aí...

Votos:
|


« primeira    « anterior    
Mostrando (1-5) de 1516 resultados.