notícias
|

Polícia

17 de julho de 2009

Sentença cassa licença de funerária que serrou cadáver para caber em caixão

A Justiça de Carolina do Sul (EUA) revogou anteontem (14) a licença de funcionamento de uma funerária que em 2004 amputou as pernas do corpo de um homem de 2 metros de altura para que coubesse no caixão.

 

No julgamento, o proprietário da funerária, Michael Cave, admitiu que seu pai, que trabalhava na funerária, "cortou com uma serra elétrica, na altura das panturrilhas, as pernas de James Hines, um negro albino que morreu de câncer de pele".

 

O pai - Charles Cave, que não tem a licença necessária para embalsamar um corpo - ajudava em algumas tarefas na empresa, como a limpeza dos corpos. O dono disse que não estava na sala quando o pai usou a serra, e afirmou que "nunca contou à família de Hines o que tinha acontecido com o corpo porque não queria aumentar a dor deles", mas depois admitiu que "a decisão de manter segredo foi errada".

 

A decisão judicial deve ser o fim da empresa familiar fundada na cidade de Allendale há 49 anos. O advogado do proprietário da empresa disse que seu cliente iria aguardar pela decisão por escrito antes de decidir se vai apelar.

 

Os rumores sobre algum tipo de intervenção no corpo de Hines espalharam-se pela cidade de 3.700 pessoas não muito tempo após a morte dele, em outubro de 2004.

 

Mas a confirmação só veio quatro anos mais tarde, quando um trabalhador despedido – a pessoa presente na sala quando as pernas de Hines foram cortadas – contou à família o que aconteceu.

 

O corpo de Hines foi então exumado por determinação judicial. Peritos encontraram as pernas cortadas no caixão. O órgão estadual que regula os serviços funerários o determinou o fechamento da empresa no mês passado.

 

Com uma ação judicial, o dono da funerária tentou - sem êxito - reverter a decisão administrativa.

 

Fonte: www.espacovital.com.br

Mais notícias do autor [+]
Comunidades
  • Não existem comunidades com a notícia
Relacionados
Carregando ... Carregando


comentar


comentários (0 comentários)

Diários Associados